Metacapitalistas e Socialistas se unem para impedir o Bem-Estar da Humanidade

Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831), foi um filósofo germânico. É unanimemente considerado um dos mais importantes e influentes filósofos da história.

30/03/2020 18H20

Luís Irajá Nogueira de Sá Júnior

Advogado no Paraná - Palestrante

Professor do Curso de Direito da UNIPAR 

iraja@prof.unipar.br

Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831), foi um filósofo germânico. É unanimemente considerado um dos mais importantes e influentes filósofos da história. Ainda no seminário, escreveu em coautoria com outros filósofos, o que chamaram de “O Mais Antigo Programa de Sistema do Idealismo Alemão”. Posteriormente, escreveu, “O Idealismo Absoluto”, uma filosofia capaz de compreender discursivamente o absoluto (de atingir um saber do absoluto). Apesar de ser crítica em relação ao iluminismo, a filosofia hegeliana é tida por muitos como “filosofia da modernidade por excelência”. É dele a frase: “A existência do homem tem o seu centro na cabeça, ou seja, na razão, sob cuja inspiração ele constrói o mundo da realidade.”

Explica Cláudio Toffolli que quem governa o mundo não são os presidentes eleitos, são os clubes de bilionários da terra. São quatro instituições básicas, quais sejam, Clube de Roma, Clube de Bilderberg, Comissão Trilateral e o Conselho de Relações Exteriores. Esses banqueiros já estão no alto do que chamamos de roda gigante do capitalismo. Essa roda está sempre em movimento, pois são os jovens empreendedores que oxigenam a economia e a impulsionam com produtos e serviços novos, como ocorreu com o criador das redes sociais Mark Zuckerberg. Em pouco tempo ele (e muitos outros) subiram ao topo da roda gigante. Esse fato - incontrolável pelos poderosos que à séculos estão no topo da roda gigante - gera inveja e ciúmes entre as dinastias de bilionários. Sendo assim, esses “donos do poder” querem travar a roda. Para os banqueiros não interessa mais que o capitalismo funcione direito. 

Logo, para não perder o “poder” os banqueiros compram os políticos de ideologia socialista (doam dinheiro para que esta chegue ao poder). Com esta estratégia passam a ser sócios dos políticos, sendo certo que, com eles nada de ruim acontece quando os socialistas chegam ao poder.

As coisas ruins acontecem com a classe média que é justamente aquela que tem o poder e a criatividade de conseguir inventar coisas novas, para fazer a roda do capitalismo girar. Os miseráveis são ajudados com migalhas pelos políticos de ideologia socialista, e, a classe média, é oprimida (basta olhar para a situação da Venezuela). A missão do político de ideologia socialista, além de enriquecer ilicitamente, pois rouba o erário público, é ser sócio dos banqueiros. Perfeita união sórdida.

A sociedade não percebe que essa “associação criminosa” tem por objetivo impedir que as pessoas consigam melhorar seu nível de vida. Atingir o bem-estar social desejado. Nesse casamento bizarro, os banqueiros lucram com taxas de juros altíssimas, e, para que isso aconteça, tem nas mãos, o poder de nomeação do Ministro da Fazenda e o Presidente do Banco Central (geralmente membros do clube de bilionários), que controlam toda política econômica do país. Por esta razão, o socialismo e/ou social democracia nunca deram certo, pois, são constituídos para “esmagar a classe média” e sempre manter os metacapitalistas no topo da roda gigante. 

Assim, quando o eleitor vota em político de ideologia socialista está elegendo o banqueiro. O político de ideologia socialista mente o tempo todo. Seu discurso é mera retórica. Alardeia que vai combater a justiça social. Para a classe média impõe pesados impostos e cria enormes burocracias para impedir o pleno desenvolvimento da iniciativa privada. Dificultam ao máximo todo progresso que as pessoas podem ter.

Abominam os políticos de direita. Pois, se a direita chegar ao poder vai atrapalhar os negócios da “associação criminosa”. A direita é nacionalista, quer ver o bem dos cidadãos, quer que os cidadãos progridam.

A razão da mídia, no Brasil, estar contra o atual governo de direita, está no fato, desta, pertencer aos metacapitalistas. O Presidente Jair Bolsonaro está atrapalhando os “negócios sórdidos” dos banqueiros em conluio com os políticos de ideologia socialista. Essa “nova ordem mundial”, como é chamado o “esquema”, pelos banqueiros, é recheado de patifaria, de pessoas infames e planos maquiavélicos.

Felizmente, hoje, os militares Ocidentais, parte da América do sul, a América do Norte, o Pentágono, as Forças Armadas Brasileiras e Canadenses, aliadas do governo de Israel, estão lutando nos bastidores contra esses banqueiros inescrupulosos. Através da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Justiça Federal, os militares de direita estão conseguindo identificar quem são e o que estão fazendo os agentes e informantes dos banqueiros e políticos de ideologia socialista. Dessa forma, estão conseguindo quebrar o elo da corrente que sustenta a corrupção no Brasil. Cabe a cada um de nós, cidadãos de bem, apoiar as iniciativas do Governo Federal.

Hegel ensina que “a educação é a arte de tornar o homem ético”. Acorda Brasil! Chega de querer levar vantagem em tudo. Vamos trabalhar para fortalecer nossa economia, nosso sistema educacional e cultural, elegendo, nos próximos pleitos eleitorais, cidadãos comprometidos com o desenvolvimento e o progresso da Nação Brasileira.