Não basta ser bom profissional. É preciso mostrar isso ao mercado!

Neste ambiente virtual em que vivemos, é preciso investir seu tempo em formas que possam demonstrar a qualidade e o diferencial em que os pretensos clientes encontrarão em seu produto ou serviço

22/08/2020 09H25

Helton Kramer Lustoza

Procurador do Estado 

Professor do Curso de Direito da UNIPAR www.heltonkramer.com

A maioria dos jovens estudantes sonham em se formar e conseguir uma atividade profissional que preencha todos os seus sonhos e, ainda lhes proporcione bons rendimentos. O mercado de trabalho, apesar de saturado, continua bem atrativo, tanto em órgãos públicos, quanto na iniciativa privada, o que demonstra que todos enfrentarão um ambiente extremamente competitivo. 

Neste percurso, é comum escutar conselhos dos profissionais mais experientes como: “seu nome é sua marca”; isso não é um exagero, uma vez que o sucesso profissional depende de uma boa imagem construída perante a sociedade e o mercado de trabalho. E diante do cenário atual, os profissionais devem buscar alternativas para que seu trabalho seja destacado dentre inúmeros outros da mesma espécie.

É neste momento que surge mais uma preocupação, uma vez que  além da necessidade de construir um projeto profissional de qualidade, o acadêmico deverá, também, preocupar-se com a imagem que será construída durante esta trajetória. Não falo na exposição exagerada ou “exibicionismo”, que muitos profissionais utilizam, isso, ao invés de ajudar, acaba atrapalhando a formação da chamada “marca pessoal”. Falo do networking, qualificação contínua, publicação de livros e trabalhos científicos, participação em eventos acadêmicos e de uma divulgação ética e respeitosa de sua atividade de forma a valorizar o exercício profissional.  

Seja qual for a profissão escolhida, não faltarão opções ao seu potencial cliente de encontrar um concorrente, basta ir à internet e, em uma simples busca, será apresentado uma lista de soluções ao seu problema. Neste ambiente virtual em que vivemos, é preciso investir seu tempo em formas que possam demonstrar a qualidade e o diferencial em que os pretensos clientes encontrarão em seu produto ou serviço. Demonstrar, de forma ética, que a sua atuação é diferenciada e, via  de consequência, oferecerá a melhor solução. 

A formação da imagem pessoal vai muito além de divulgações nas redes socais, sendo que muitas vezes tais informações são engolidas pela quantidade de outras postagens que existem e  prejudicam que o objetivo seja alcançado. Isso demonstra uma realidade desafiante na medida em que é preciso compreender que muitos são aqueles que disputam espaço com você no mercado e que também estarão perseguindo o mesmo objetivo. 

Por isso, acredito que a construção profissional deve iniciar na faculdade, onde o estudante deverá focar em suas necessidades presentes, estabelecer metas objetivas, conhecer as oportunidades do mercado, a fim de ter clareza sobre onde quer chegar e o que quer alcançar.  É neste momento que surge a necessidade de que o futuro profissional tenha uma habilidade de investir na sua “marca”, com o objetivo de se tornar autoridade nos temas que pretende trabalhar, e com isso, alcançar maior credibilidade junto ao público.  

Após alguns anos no exercício profissional - na carreira jurídica e no magistério -, notei que  quando se faz o que gosta, o profissional terá a seu favor possibilidades maiores de enfrentar as adversidades do mercado. Após obter o prazer pelo trabalho, deve o profissional ser “bom” naquilo que realiza. E mais, deve se preocupar com a imagem profissional que será construída, buscando identificar as oportunidades, investindo na sua qualidade profissional e, principalmente, manter-se atualizado na área de atuação, com constantes cursos e especializações.