GERAR completa 18 anos

Organização sem fins lucrativos tem como missão transformar vidas e formar o jovem para o primeiro emprego

08/04/2021 12H00

foto: GERAR(Arquivo/foto anterior à pandemia)

Por Assessoria

Há 18 anos, com a missão de promover o desenvolvimento econômico e social, nascia no Paraná a GERAR, uma organização social sem fins lucrativos. A entidade é reconhecida, principalmente, pelo programa Aprendiz Legal, estágios e atuação social, mas ao longo desses anos foram vários projetos focados em transformar a sociedade.

Em 2010, uma parceria com a Fundação Roberto Marinho conferiu a GERAR uma franquia para atuar, no Paraná e Santa Catarina, com o Aprendiz Legal, programa que visa inserir e formar o jovem para o primeiro emprego.

Desde então, a entidade vem se expandindo dia a dia. A sede é em Curitiba, mas a GERAR está instalada em mais de 50 municípios, entre eles Guarapuava. A organização tem cerca de 250 funcionários e já impactou a vida de mais de 300 mil pessoas.

Aprendiz Legal

A missão da GERAR vai além da inserção de jovens no mercado, seja através do Aprendiz Legal ou dos programas de estágio. É transformar a vida das pessoas, através de sua metodologia de ensino.

O Presidente do Conselho Diretor Francisco Essert diz que Aprendiz Legal combate o gargalo do primeiro emprego (Arquivo/foto anterior à pandemia)

“Temos essa filosofia: as pessoas que participam dos nossos projetos têm que sair melhores do que entraram. Se passam pelos nossos programas e não mudam, então nosso trabalho não surtiu efeito”, afirma o Presidente do Conselho Diretor da GERAR, Francisco Essert.

Francisco diz que a atuação dentro do Aprendiz Legal permite combater um dos principais gargalos do Brasil, que é o primeiro emprego para o jovem. “O desemprego do jovem é o dobro do restante da população. São adolescentes, muitas vezes de comunidades vulneráveis, que até procuram emprego, mas não acham. Aí são assediados pelo crime e tráfico. O Aprendiz Legal dá a possibilidade de eles conseguirem uma colocação. Então, eles passam a receber salário, que passa a ser a âncora do orçamento familiar, e saem com formação humana e técnica. Passam a ter oportunidades”.

É justamente a emancipação o foco da formação da GERAR, segundo a Superintendente Institucional e Técnico da GERAR, Heloisa Arns. “Nos preocupamos em dar o conhecimento e o apoio para que eles possam enxergar novas possibilidades. Quando trabalham numa empresa grande, eles têm a porta de entrada para o mercado de trabalho, e assim ficam longe das drogas e das ruas”.

De acordo com Heloisa Arns, o principal legado da GERAR é a transformação das pessoas que integram os programas de formação da entidade. “Eles passam a acreditar neles mesmos. Desenvolvemos instrumentos que, às vezes, nem mesmo a faculdade possui, que é o foco no relacionamento interpessoal, como se portar numa empresa, além do conhecimento técnico. Tudo isso representa a oportunidade de fazer a diferença na sociedade”.

Em outras palavras, para Heloisa tudo isso significa fazer o bem, uma herança de família e um exemplo que vem de casa - ela é filha de Zilda Arns, que foi parceira da entidade no início da atuação. “A herança do trabalho da minha mãe está em atuar nas bases, em transformar as pessoas vulneráveis em protagonistas de sua própria melhoria de vida".

O jovem Gabriel afirma que a formação oferecida pela GERAR transformou a vida dele

Um dos jovens impactos pelo trabalho da GERAR é Gabriel Kinap Stoco, 17, que está fazendo o programa de aprendizagem na instituição e logo ingressará numa empresa de metais sanitários. Será o primeiro emprego dele com carteira assinada. “Profissionalmente, é muito bom. E também vai ajudar bastante em casa”.

Na segunda semana dentro do programa de formação da GERAR, ele já pode dizer que é uma outra pessoa. “Hoje tenho uma noção mais ampla da realidade e sou uma pessoa melhor”.

Evolução do aprendiz

Apesar dos excelentes resultados ao longo de 11 anos, Francisco afirma que é possível ir muito mais longe. Segundo ele, cerca de metade das empresas não cumpre a Lei da Aprendizagem. “Toda empresa que tem mais de 7 funcionários é obrigada a ter aprendiz. Se todas as empresas cumprissem essa lei, teríamos mais de 1 milhão de adolescentes e jovens na aprendizagem. Esse é o nosso desafio”

Segundo o presidente, o cumprimento da lei traz vantagens às empresas, que passam a contar com jovens motivados, com a possibilidade de formar novos talentos. No entanto, segundo ele, uma das dificuldades é a desinformação. “Algumas empresas desconhecem, outras esperam ser fiscalizadas para passar a cumprir, há ainda aquelas que estão com dificuldades financeiras por causa da pandemia. Mas apesar disso tudo, seguimos colocando muitos aprendizes no mercado”.

Como é uma ONG, Francisco destaca que os recursos obtidos pela entidade são reinvestidos no projeto de expansão. A entidade pretende estar presente em mais municípios do Paraná e Santa Catarina e, num segundo momento, abranger a atuação para outros estados.

Serviço

A GERAR, em Guarapuava, está instalada na rua Vicente Machado, 2066 – Centro. Informações pelo telefone (42) 3304-8380 e no site da GERAR: 

 https://www.gerar.org.br