Ratinho diz que folha de pagamento é "desafio" e aposta em diálogo com servidores​

domingo, 18 de novembro de 2018

Ratinho diz que folha de pagamento é "desafio" e aposta em diálogo com servidores​

De passagem por Brasília nesta quarta-feira (14) para um encontro entre governadores eleitos em outubro e o futuro presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), o próximo chefe do Executivo no Paraná Ratinho Júnior (PSD) admitiu que a folha de pagamento é um "desafio" e que pretende resolver a questão com "muito diálogo" com servidores. Relatório divulgado na semana passada pelo Tesouro Nacional coloca o estado entre as unidades da federação que desrespeitaram o teto de gastos com pessoal – 61%, ante um limite legal de 60%. As informações são Catarina Scortecci na Gazeta do Povo.

"É preciso muito diálogo. Acredito que hoje os próprios servidores têm consciência do limite orçamentário dos estados. O Paraná não é diferente, não somos uma ilha, temos nossas dificuldades. Apesar disso, comparado a outros estados, estamos com as contas controladas", afirmou Ratinho à imprensa, na entrada do encontro, que foi articulado por outros três governadores eleitos em outubro, Ibaneis Rocha (Distrito Federal), João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro).

A dificuldade financeira dos estados, especialmente com a folha de pagamento, e a necessidade de um novo pacto federativo, é o ponto central do encontro, embora os articuladores dele tenham tentado dar ares menos pesados à reunião. "É um primeiro encontro. Não tem uma pauta específica. Cada um vai expor seus principais problemas e a partir daí faremos pautas conjuntas e permanentes", afirmou Ibaneis.

Alinhado a Bolsonaro, Ratinho reforçou a ideia de uma pauta conjunta dos estados, e também endossou a necessidade de rever o pacto federativo, mas alertou que não se trata de algo imediato. "Ele próprio [Jair Bolsonaro] tem dito que é mais Brasil, e menos Brasília. Então é preciso repensar a distribuição dos tributos. Mas não acredito que isso será resolvido no início do governo Bolsonaro. A discussão tem que ser aprofundada", disse Ratinho.

Para o governador do Paraná eleito, "isso tudo passa pelas reformas, como a da previdência social". "O governo federal também passa por dificuldades. Então isso tudo passa por reformas. Elas são fundamentais. O mundo inteiro faz reforma da previdência. A cada 30, 40 anos, tem que repensar a previdência. O presidente tem dito que quer avançar nas reformas. E, nós, como governadores, temos que colaborar, para que se crie um ambiente favorável a isso", indicou ele. 

Ratinho não tinha outros compromissos em Brasília, e seguiria de volta ao Paraná ainda nesta quarta-feira (14). Um segundo encontro dos governadores eleitos em outubro deve ocorrer no próximo dia 12.

Fonte: Paraná Informações

« Secretaria de Esportes e Recreação lança projeto Verão na Praça

Banda Jovem de Guarapuava é campeã do Sul-Brasileiro de Bandas e Fanfarras categoria Concerto Sênior »

Deixe seu comentário:

Nome

E-Mail

Comentários