Novo ministro da Educação disse que golpe de 1964 deve ser comemorado

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Novo ministro da Educação disse que golpe de 1964 deve ser comemorado

Ricardo Vélez Rodrigues, o colombiano que foi escolhido por Jair Bolsonaro para comandar o Ministério da Educação, escreveu em seu blog um texto no qual diz que o dia 31 de março de 1964, que marca o golpe militar no Brasil, é "uma data para lembrar e comemorar". As informações são da coluna Painel da Folha de São Paulo.

Vélez compara a instauração da ditadura a outros eventos históricos, como do "dia do fico", em que dom Pedro se recusa a deixar o Brasil e voltar a Lisboa. "Nos treze anos de desgoverno lulopetista os militantes e líderes do PT e coligados tentaram, por todos os meios, desmoralizar a memória dos nossos militares e do governo por eles instaurado em 64."

"A malfadada 'Comissão da Verdade' que, a meu ver, consistiu mais numa encenação para 'omissão da verdade', foi a iniciativa mais absurda que os petralhas tentaram impor", diz o futuro ministro no mesmo texto. Ele se refere ao colegiado que buscou elucidar crimes cometidos pela repressão militar, como torturas e assassinatos de civis.

Vélez ironiza o conceito de direitos humanos e faz laudações ao "patriótico papel" desempenhado pelos militares no período. Ele diz ainda que "houve falhas" durante o regime, e começa a listagem pelo que entende como equívocos da política econômica.

Na única e discreta menção a atos de violência praticados pelo Estado contra civis, afirma apenas que "houve excessos no que tange à  repressão".

No último parágrafo do texto, escrito em 2017, Vélez afirma que "os nossos militares prepararam os seus quadros de oficiais para se inserirem no Brasil democrático, abrindo espaço ao público feminino e com pleno respeito às lideranças civis legítimas surgidas do voto popular e às instituições do governo representativo".

Ele ascenderá ao poder no MEC pelas mãos de Bolsonaro, capitão reformado do Exército que, ao longo de 28 anos como deputado, prestou homenagens e defendeu torturadores como Carlos Alberto Brilhante Ustra na tribuna da Câmara.

Bolsonaro chegou a dizer que a ditadura do Brasil matou pouco. Em 2014, a Comissão Nacional da Verdade divulgou relatório com os nomes de 434 pessoas que morreram ou desapareceram durante o regime. Após o golpe, os militares permaneceram por 21 anos no poder.

« Secretaria de Turismo terá como sede a Casa do Imigrante a partir de segunda-feira (26)

Calor eleva consumo de energia elétrica »

Deixe seu comentário:

Nome

E-Mail

Comentários